Acerca das graduações

Porquê as graduações?
O cinto, cinturão ou faixa é o emblema das artes marciais. Espelha a sabedoria e a experiência de quem o usa. Surgiu como forma de distinguir níveis de conhecimento e competência. Não deixa ser ser uma forma artificial de classificação que evolui e pode ser adaptada a diferentes contextos e culturas. Não existe um sistema de graduações ideal mas aprendendo com a experiência adquirida é possível delinear um sistema de graduações ajustado à organização (associação, clube, etc.).

O sistema de graduações em vigor na Associação de Karate de Beja (AKB), e consequentemente no KarateSpace, é o seguinte:

Graduações.jpg

Foram vários os critérios considerados na construção desta hierarquia.
1. Coerência institucional internacional.
Não obstante ajustes que julgamos importantes e adaptações ao nosso contexto, as graduações e os conteúdos programáticos baseiam-se no que é praticado na Seiwakai, organização da qual fazemos parte.
2. Quantidade (volume) e frequência da prática.
Um dos requisitos para a inscrição no exame de graduação é o "número mínimo de treinos". Independentemente da aptidão (física ou técnica) do indivíduo, só a prática regular permite atingir níveis mais altos de desempenho e adquirir determinadas competências.
Um aluno bom a assimilar conteúdos pode não ser bom a retê-los. E se os retiver, isso não significa que seja capaz de os transferir para uma situação diferente (real ou simulada). Sem assimilação, retenção e capacidade de transferência (aplicação) não existe verdadeira e completa aprendizagem.
3. Tempo mínimo entre graduações.
Para além de um número mínimo de treinos, existe também uma periodo de tempo que deve cumprir-se entre duas graduações. Este requisito tem a ver com maturação técnica e do carácter. O número mínimo de aulas é uma métrica incompleta. 30 treinos podem ser cumpridos em 15 semanas se o atleta treinar duas vezes por semana, mas são cumpridos em 6 semanas se o clube disponibilizar treinos todos os dias da semana. Em 6 semanas é possível melhorar fisicamente, difícil melhorar significativamente do ponto de vista técnico e pouco provável que haja lugar a um crescimento pessoal e social. Nos escalões de formação, é fundamental que cada patamar no sistema de graduações represente mais conhecimento e mais capacidades técnicas mas também uma melhor postura, crescimento pessoal. Graduações mais altas significam maior responsabilidade pela razão de que quanto mais altos estamos na hierarquia mais são os que nos olham a partir de baixo em busca de exemplo e inspiração.
4. Idades mínimas e graduações intermédias.
Definir um sistema de graduações é um exercício de equilíbrios. Com que idade deve ser permitido alcançar o cinto negro? Esta é uma questão constantemente discutida. Se o critério for meramente técnico a idade não conta mas a maior parte das organizações assume que o detentor de tal graduação deve ser alguém com mais do que competências técnicas. É exigido à pessoa que tenha maturidade e etiqueta. Alguns clubes e associações usam a figura de "Cinto Negro Junior" como forma de não estagnar os alunos mais dedicados e tecnicamente dotados que são ainda demasiado jovens para obter a graduação de 1º Dan. Uma alternativa é o uso da graduação "Pré-Shodan", uma espécie de periodo probatório até o cinto negro ser efectivamente atribuído. Na AKB a idade mínima para ser cinto negro é 15 anos e o sistema de graduações compreende 3 graduações dentro do cinto castanho, que visam o aperfeiçoamento do carácter e da técnica do praticante antes da obtenção do cinto negro.
No outro extremo, do cinturão branco, há que ter em conta a idade dos alunos mais jovens. Aceitar alunos a partir dos 8, 6 ou 4 anos requer um planeamento diferente. Há que distribuir os conteúdos técnicos pelas graduações estabelecidas de forma a permitir uma evolução gradual mas sustentada dos alunos. O sistema de graduação da AKB está preparado para aceitar alunos com 4 anos de idade, apesar de cada dojo decidir a idade mínima das suas classes. (O KarateSpace aceita alunos a partir dos 6 anos de idade.)
Fazendo a distribuição dos conteúdos técnicos e considerando faixas etárias entre os 4 anos e os 15 anos, chegámos ao sistema actual que contempla idades mínimas para cada graduação e obriga todos os atletas com menos de 12 anos a passar por graduações intermédias. O sistema permite que um aluno que entra com 4 anos, faça o seu percurso e eventualmente atinja o cinto negro aos 15.

O caminho faz-se caminhando
Os parágrafos anteriores explicam o racional que está por detrás do actual sistema de graduações que usamos. Justifica porque é desta forma e não de outra e permite o planeamento do percurso pessoal dentro da organização. Mostra o que é necessário para ser candidato a exame, para além das competências técnicas.
Não são atribuidas graduações a alguém porque treina muito, com frequência, porque já passou o tempo mínimo entre graduações ou porque tem a idade mínima para determinada graduação. Esses são critérios necessários mas assessórios ao principal que é o conhecimento e boa execução das técnicas, com bom espírito.

Bons treinos e votos de sucessos a todos!